Pular para o conteúdo principal

Você precisa de afeto



Você precisa de afeto




Mesmo que não seja um processo consciente, a necessidade de afeto é um imperativo da nossa espécie. Cabe aqui esclarecer o que se entende por "Afeto".






A palavra Afeto:Vêm do Latim AFFECTUS, “disposto, inclinado a, constituído”, particípio passado de AFFICERE, “fazer algo a alguém, usar, manejar, influir sobre”, além de vários outros sentidos. Forma-se de AD, “a”, mais FACERE “fazer” *



Neste sentido, precisamos afetar o outro e ser afetados por ele. 


Existem afetos bons e maus. 


São considerados bons aqueles que nos proporcionam prazer e os maus os que nos proporcionam desprazer.


Os afetos bons, ou prazerosos são aqueles que buscamos na companhia das pessoas que podem nos proporcionar algum tipo de gratificação, seja da ordem física (cuidado físico, afago, prazer sexual) ou de ordem psíquica: (compreensão, acolhimento, empatia, aceitação). 



Precisamos deste tipo de afeto para nos sentir (relativamente) seguros, mas torna-se um problema quando nos tornamos dependentes afetivos.






A relação de cuidado deve compreender um limite entre o que é necessário e exagerado. Quando assume ares de "afeto" torna-se um problema, pois o cuidado exagerado impede o crescimento (emocional e cognitivo) do outro.






Por exemplo: mães que não permitem que os filhos ganhem independência, convencendo-os que o mundo é um lugar ameaçador e desta forma impedem-no de conhecer nosso afetos, tolhendo seu desenvolvimento emocional e /ou psicológico.






Os afetos maus






Ou desprazerosos, são aqueles que experimentamos diante de uma perda, ameaça, desafio desproporcional, provocação, frustração, etc.






Acredito que todos já passamos por situações assim....Mas .... será que precisamos disso?






Para o nosso desenvolvimento emocional e cognitivo, precisamos sim (nas devidas proporções).






A criança que nunca ouviu um "não" pode se tornar um adulto tirano ou egoísta.. (embora o excesso de nãos também possa ter o mesmo efeito);






A menina que cresceu num "reino encantado, cercada de príncipes", pode ter dificuldades de viver em um mundo real, onde existem mais "sapos" do que "príncipes", desenvolvendo um mecanismo chamado "negação" que lhe possibilita viver no mundo da fantasia por mais tempo que o normal, perdendo contato com a realidade, fantasiando a ausência de afeto com atitudes de arrogância ou presunção, acreditando-se "irresistível" sem de fato ser....Os ganhos desta atitude são desprezo, deboche, piedade, ou seja, afetos maus.






O adulto que está acostumado a impor suas vontades de forma tirânica, pode também ter desenvolvido mecanismos de defesa (racionalização e negação) que lhe permitem viver em uma fortaleza emocional, insensível ao sofrimento alheio. Os ganhos desta atitude são mais afetos maus (raiva, ódio, rancor).






Estes indivíduos criam verdadeiras fortalezas emocionais, onde "ninguém entra, ninguém sai", ou seja, tornam-se incapazes de modificar o tipo de afeto que possuem, pois se negam a conviver com o novo, com o diferente, pois temem que seu arcaboouço de afetividade (boa ou má) seja influenciado por outras formas de afeto; e por não ter preparo emocional para lidar com estas mudanças, preferem se esquivar do risco de ter de mudar... e se contentam em racionalizar os afetos maus, com pensamentos disfuncionais. Possivelmente, só se darão conta que há "algo muito errado acontecendo" quando os seus afetos verdadeiros começarem a abandoná-lo..


Concluindo: precisamos dos afetos bons e ruins, dos positivos e negativos, para nossa evolução emocional e cognitiva; os bons nos dão segurança; os maus nos desafiam e nos obrigam a crescer.


























(*fonte: http://origemdapalavra.com.br/site/palavras/afeto/).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Término de relacionamento. Por que a superação é tão difícil?

O rompimento das relações afetivas provoca sofrimento comparado ao luto: falta de ar insônia, palpitações, taquicardia, são sintomas que tendem a surgir quando um indivíduo é rejeitado.
El fuego me recorre el cuerpo- el dolor de amarte. El dolor me recorre el cuerpo con las llamas del amor que siento por ti. La enfermedad del amor por ti me inunda el cuerpo. El dolor es como un furúnculo a punto de explotar de mi amor por ti. Consumido por el fuego de mi amor por ti. Recuerdo lo que me dijiste. Pienso en tu amor por mí. Me desgarra tu amor por mí. Dolor y más dolor. ¿Dónde te vas con mi amor? Me dicen que te irás de aquí. Me dicen que me abandonarás. Mi cuerpo está entumecido de dolor. Recuerda lo que te he dicho, mi amor. Adiós, mi amor, adiós". (Fisher, p. 11).
Mas porque isto ocorre?
O amor é articulado com as funções cerebrais por meio de dois hormônios que respondem pela estimulação sexual: a vasopressina nos homens e a ocitocina, nas mulheres. Estas substâncias favorecem a for…

Psicóloga sp - Crianças, adultos, casais | psicologa convenio | Psicologa Planos de saude | Bradesco | Amil | Sulamerica | Omint | Porto seguro

Psicóloga sp - Crianças, adultos, casais | psicologa convenio | Psicologa Planos de saude | Bradesco | Amil | Sulamerica | Omint | Porto seguro Atendimento por reembolso. Saiba Mais.

Maris V. Botari - Psicóloga Clínica - CRP-SP - 06/121677 Desenvolvendo Habilidades Afetivas e emocionais. 

Psicoterapia para: Crianças, Adultos e Casal 

Psicologa Bradesco, Amil, Sulamérica, Omint , por reembolso

Agendamento de 1ª consulta psicológica Whatsapp (11) 9-9984-9910

Email: psicologamaris@gmail.com
Sites:Psicologia Sem FronteirasPsicologia dos RelacionamentosPsicoterapia em São Paulo
Psicoterapia: ajudando a adquirir ou manter a qualidade da vida afetiva, pessoal e emocional.

Tratamentos indicado para:
Ansiedade, Depressão, dificuldade de relacionamento (afetivo, social, profissional e familiar), necessidade de aceitação, baixa autoestima,lidar com sentimento de culpa, como manter um relacionamento feliz, carência afetiva, dependência emocional, desmotivação, estresse, dificuldade de comunicação, di…

Como esquecer alguém?

Você estava em um relacionamento, que parecia promissor, mas de repente

As coisas começaram a desandar, e o inevitável término chegou....
ou
Estava tudo bem, mas a outra parte resolveu se desligar da relação.

Enfim, houve uma ruptura na relação, mas não no vínculo (pelo menos, da sua parte).

Supondo que todas as tentativas de reconciliação já foram esgotadas, não há muito o que fazer: o jeito é esquecer a pessoa e partir para outra relação, ou ficar algum tempo sozinho (a).

Mas como se esquece alguém?

Esta pergunta não tem resposta fácil, nem fórmula, nem dicas que funcionem de maneira eficaz, pois depende de como o indivíduo funciona afetivamente. 

No entanto, uma coisa é certa: para esquecer alguém é preciso:

1- Querer. 
O pensamento no outro não desaparecerá se você alimentá-lo. É preciso imposição de uma poderosa força de vontade, e capacidade de lidar com a dor e o vazio. Não dá pra esquecer alguém quando não se quer esquecer.

2-Força de vontade
Não basta querer. 

É preciso sustentar este que…