Pular para o conteúdo principal

09 dicas para identificar relacionamentos tóxicos:


Relacionamentos tóxicos:  09 dicas para identificá-los.


psicologa bradesco sp; psicologa amil, psicologa sulametica




Considera-se um relacionamento tóxico aquele que é capaz de viciar, proporcionando (ou não) gratificações imediatas, mas não é possível observar perspectiva de mudanças a curto, médio ou longo prazo, uma vez que os recursos disponíveis já estão esgotados.

Quando colocados numa balança imaginária, verifica-se que as perdas são muito maiores que os ganhos; uma das partes (ou ambas) sempre demonstrará insatisfação, o que sugere que a relação está caminhando por uma estrada muito distante daquela que um dia foi idealizada.

Entramos numa relação esperando minimamente:
1.      Respeito;
2.      admiração;
3.      confiança;
4.      carinho;
5.      acolhimento;
6.      paixão
7.      intimidade;
8.      comprometimento.

Temos a obrigação de oferecer o mesmo. Se um destes elementos de base da relação falta, pode-se considerar que há um desequilíbrio de interesses. Porém algumas pessoas insistem em manter a relação, esperando que um dia ela possa trilhar pela estrada florida da felicidade. Tais pessoas (talvez) apresentem dificuldade em identificar a toxicidade da relação. Por isso, aqui vão algumas dicas:


1. Observe se você tem cumprido a sua parte.

É simples culpar o outro, mas reconhecer os próprios erros é bastante complicado, porque na maioria das vezes o foco da nossa atenção é externo, e não interno.
É útil que em alguns casos, possamos nos recolher para que possamos nos colocar no lugar do outro, buscando compreender como ele se sente.

Pode ser que
·        o excesso de cobranças tenha feito com que o outro perdesse o respeito;
·        que suas atitudes pueris tenham minado a admiração;
·        que suas desconfianças tenham assustado a outra parte;
·        que sua frieza tenha afastado o carinho da pessoa amada;
·        que a sua indisponibilidade tenham dificultado que a outra parte lhe acolhesse devidamente;
·        que a sua dificuldade em demonstrar paixão tenha esfriado a paixão que o outro tinha por você;
·        que a sua falta de confiança básica tenha criado um “muro de Berlim” entre você e o outro;
·        que sua falta de comprometimento tenham sinalizado ao outro que poderia agir da mesma forma.
Observe se o outro tem cumprido a parte dele.

2.      Respeito;
Você considera que o outro lhe respeita nos momentos de dor, ou quando pensa diferente sobre algum assunto?
Você acredita que o outro lhe compreende quando não pode atender algum desejo?

3.      Admiração
O outro lhe faz elogios sinceros? Não me refiro às bajulações.
O outro reconhece seu valor como pessoa? Reconhece seus esforços para atingir seus objetivos?

4.      Confiança;
O outro confia em você quando diz que é fiel? Confia na sua integridade como pessoa? Acredita na sua versão da história, mesmo quando ela lhe é desfavorável?

5.      carinho;
O outro lhe trata com simpatia? Sorri com frequência? Trata-lhe com uma atenção diferenciada? (Este ponto é importante, pois em muitos casos, a pessoa é capaz de ser atenciosa com todos, o que gera alguma confusão). Retribui seus gestos de carinho, mesmo que não seja da mesma forma, porém na mesma proporção?

6.      acolhimento;
Você se sente acolhido quando precisa de um “ombro amigo”? Pode contar com um abraço apertado, um beijo carinhoso? Esta pessoa estaria disposta a te ajudar a lutar contra uma adversidade?

7.      Paixão
O outro lhe inspira paixão, de modo a corresponder às suas necessidades físicas? Olha-te como se você fosse um ser único no universo? Compreende que em alguns dias você não está disposto (a) à engajar-se nas práticas sexuais?

8.      Intimidade;
O outro compartilha  com você detalhes íntimos e pessoais? Costuma contar a você coisas que não contaria pra mais ninguém?

9.      Comprometimento.
Esta pessoa está ao seu lado nos piores momentos? Busca tornar a relação algo “leve” para os dois? Pensa no futuro da relação?


Entendo que, dentre estes 09 pontos, alguns poderiam ser acrescentados.
Entendo também que nenhuma relação seja tão perfeita a ponto de atingir nota máxima em todos estes requisitos. No entanto, minha proposta não é que siga estes pontos à risca, mas use-os como parâmetros para que sua afetiva tenha alguma qualidade, e possa ser rica para todos.
psicologa bradesco sp; psicologa amil, psicologa sulametica




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

psicologa convenio bradesco saúde

psicologa convenio bradesco saúde * reembolso*

♠ Agendamento: (11) 99984-9910


♦Consultório  Rua Domingos de Morais, 770  - Bl 01 sl 05 Vila Mariana - São Paulo -  SP
Atendimentos psicológico: ♥De segundas a sexta, das 7:00 as 23:00 ♥Sábados das 7:00 as 20:00


Terapia para crianças, adultos, casais, ajuda emocional, orientações e aconselhamentos. Primeira consulta grátis
Bradesco Saúde Psicoterapia

O atendimento a clientes Bradesco é feito por meio de reembolso. Para saber mais clique aqui:  Bradesco Saude
O atendimento a clientes conveniados é feito por Reembolso que é garantido pela LEI da LIVRE ESCOLHA (Agência Nacional de Saúde- ANS - Resolução 338 ). É direito do segurado realizar até 40 sessões de terapia por ano.

♠ O que é reembolso? É a restituição financeira ao segurado, das despesas médicas e hospitalares, por ele custeadas em atendimento particular.
♣ Quanto tempo demora? Em média 20 dias. Se a seguradora não cumprir o prazo,  o consumidor deve denunciá-la. A operadora também deve informar d…

Mitos e verdade sobre Psicoterapia

Mitos e verdade sobre Psicoterapia A psicologia é uma área do saber onde existem mais mitos que verdades absolutas, e isto porque, quando algumas informações caem no senso comum ( com a ajuda da indústria midiática), sofrem distorções quase impossíveis de reverter.

As informações mais distorcidas estão relacionadas ao processo psicoterápico. Alguns mitos encobrem as verdades, o que dificulta o trabalho do psicólogo.


Eis alguns deles:

Mito 1: O psicólogo deve mudar a "cabeça" das pessoas.Jamais. O psicólogo deve verificar junto ao seu paciente, quais os comportamentos excessivos ou deficitários devem ser modulados. Para isto é preciso levar o paciente a modificar alguns pensamentos. Isto se consegue por meio de técnicas como o questionamento socrático, role-play, atividades reflexivas, etc. O executor da mudança é o PACIENTE. O psicólogo só instrumentaliza.
Mito 2 "Psicoterapia é para a vida toda"Nem sempre. Existem casos que algumas sessões podem ajudar o paciente a se …

Precisamos realmente agradar aos outros?