Pular para o conteúdo principal

Ansiedade: o que é e como tratar



Ansiedade: o que é e como tratar


Embora o termo "ANSIEDADE" sugira algo ruim e destruidor, na verdade a ansiedade é um conjunto de emoções primitivas que têm por finalidade garantir nossa existência.


psicologa bradesco| Psicóloga amil| psicóloga sul américa| Psicóloga São Paulo



Deriva do latim anxiosus, e significa "inquieto"

Portanto, ficar ansioso é ficar inquieto, colocar-se em expectativa, o que é uma condição bastante esperada. É natural que nos tornemos inquietos diante de uma prova, um exame, uma apresentação pública, quando estes eventos não são comuns. Os primeiros encontros amorosos também são situações que deixam a maioria das pessoas em estado de ansiedade. Isto ocorre para que o organismo possa se preparar adequadamente para vivenciar a situação. Pode usar algumas estratégias para reduzir a ansiedade, porém, anulá-la é quase impossível diante destes eventos, afinal, esta inquietude nos torna produtivos.

A ansiedade torna-se inimiga dos indivíduos quando deixa de ser produtiva e torna-se desproporcional às ocorrências: quando não diminui facilmente, mesmo contra todas a vontade.
Neste caso, torna-se disfuncional, ou seja, acaba por atrapalhar, ao invés de ajudar.
Este estado caracteriza-se por pensamentos recorrentes de catástrofe, como se algo muito grave estivesse para acontecer, quando na verdade, o risco nem é tão grande, impedindo o indivíduo a ter uma visão realista da situação.

Por exemplo: alguém ouviu falar que o país está em crise e começa a se preparar para vivenciar situações de miséria, deixando de gastar com coisas necessárias, abrindo mão de atividades prazerosas, por medo de ficar na miséria. Além disso, tende a procurar insistentemente formas de garantir sua sobrevivência, como se a catástrofe já estivesse ocorrendo.

Neste exemplo há uma antecipação imaginária da catástrofe. A estratégia compensatória neste caso, poderia ser um questionamento sobre o pensamento:


  • de onde tirei esta ideia catastrófica?
  • isto já aconteceu antes?
  • se já aconteceu, como a situação foi resolvida?
  • quais os riscos reais que esta situação ocorram?
  • a antecipação vai ajudar-me a resolver esta situação? como?
  • devo viver em função disto?




O mundo muda, as pessoas mudam, tudo muda. É natural que fiquemos ansiosos diante de tantas mudanças.
Em situações de Ansiedade, não é uma boa ideia afastar os pensamentos ansiosos, pura e simplesmente com "pensamentos positivos", pois isto é como jogar "areia" sobre o problema. Ao contrário, devemos conversar com este estado de ansiedade até chegar no ponto de entender o que ela quer dizer. Diminua o ritmo, respire fundo, tente fazer uma coisa de cada vez, sempre conversando com a ansiedade, se apropriando dela, para melhor compreender seu funcionamento diante de situações novas, que surgem o tempo todo.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Término de relacionamento. Por que a superação é tão difícil?

O rompimento das relações afetivas provoca sofrimento comparado ao luto: falta de ar insônia, palpitações, taquicardia, são sintomas que tendem a surgir quando um indivíduo é rejeitado.
El fuego me recorre el cuerpo- el dolor de amarte. El dolor me recorre el cuerpo con las llamas del amor que siento por ti. La enfermedad del amor por ti me inunda el cuerpo. El dolor es como un furúnculo a punto de explotar de mi amor por ti. Consumido por el fuego de mi amor por ti. Recuerdo lo que me dijiste. Pienso en tu amor por mí. Me desgarra tu amor por mí. Dolor y más dolor. ¿Dónde te vas con mi amor? Me dicen que te irás de aquí. Me dicen que me abandonarás. Mi cuerpo está entumecido de dolor. Recuerda lo que te he dicho, mi amor. Adiós, mi amor, adiós". (Fisher, p. 11).
Mas porque isto ocorre?
O amor é articulado com as funções cerebrais por meio de dois hormônios que respondem pela estimulação sexual: a vasopressina nos homens e a ocitocina, nas mulheres. Estas substâncias favorecem a for…

Psicóloga sp - Crianças, adultos, casais | psicologa convenio | Psicologa Planos de saude | Bradesco | Amil | Sulamerica | Omint | Porto seguro

Psicóloga sp - Crianças, adultos, casais | psicologa convenio | Psicologa Planos de saude | Bradesco | Amil | Sulamerica | Omint | Porto seguro Atendimento por reembolso. Saiba Mais.

Maris V. Botari - Psicóloga Clínica - CRP-SP - 06/121677 Desenvolvendo Habilidades Afetivas e emocionais. 

Psicoterapia para: Crianças, Adultos e Casal 

Psicologa Bradesco, Amil, Sulamérica, Omint , por reembolso

Agendamento de 1ª consulta psicológica Whatsapp (11) 9-9984-9910

Email: psicologamaris@gmail.com
Sites:Psicologia Sem FronteirasPsicologia dos RelacionamentosPsicoterapia em São Paulo
Psicoterapia: ajudando a adquirir ou manter a qualidade da vida afetiva, pessoal e emocional.

Tratamentos indicado para:
Ansiedade, Depressão, dificuldade de relacionamento (afetivo, social, profissional e familiar), necessidade de aceitação, baixa autoestima,lidar com sentimento de culpa, como manter um relacionamento feliz, carência afetiva, dependência emocional, desmotivação, estresse, dificuldade de comunicação, di…

Como esquecer alguém?

Você estava em um relacionamento, que parecia promissor, mas de repente

As coisas começaram a desandar, e o inevitável término chegou....
ou
Estava tudo bem, mas a outra parte resolveu se desligar da relação.

Enfim, houve uma ruptura na relação, mas não no vínculo (pelo menos, da sua parte).

Supondo que todas as tentativas de reconciliação já foram esgotadas, não há muito o que fazer: o jeito é esquecer a pessoa e partir para outra relação, ou ficar algum tempo sozinho (a).

Mas como se esquece alguém?

Esta pergunta não tem resposta fácil, nem fórmula, nem dicas que funcionem de maneira eficaz, pois depende de como o indivíduo funciona afetivamente. 

No entanto, uma coisa é certa: para esquecer alguém é preciso:

1- Querer. 
O pensamento no outro não desaparecerá se você alimentá-lo. É preciso imposição de uma poderosa força de vontade, e capacidade de lidar com a dor e o vazio. Não dá pra esquecer alguém quando não se quer esquecer.

2-Força de vontade
Não basta querer. 

É preciso sustentar este que…