Pular para o conteúdo principal

O normal e o patológico

O normal e o patológico
consulta psicológica, psicologa, agendamento de consulta gratuita, preços de terapia, psicoterapia, atendimento, psicoterapico,psicoterapia, psicologa, psicologo, psicanalista, gestalt, terapia cognitivo comportamental, testes, avaliações, quanto custa consulta, atendimento, psicologico, psico, estresse, psicologa, tratamento, convenio,  terapia de casais,depressao, estresse, ajuda emocional, convenio psicologico, marcar consulta, sao paulo psicologa, preco de consulta, valor da consulta psicologa,primeira consulta psicologica gratis, terapia, psicoterapia, psicologia, tratamento para depressao, tratamento para ansiedade, dificuldade de relacionamento, crianças, adultos, idosos, casais, grupos, palestras, estresse, obesidade, ciúme, amor, namoro, casamento, sexo, sexualidade, luto, patologia tratamento, psicóloga allianz, psicólogo, allianz, psicóloga, allianz psicólogo saúde bradesco, psicóloga saúde bradesco,  clinica de psicologia, consultorio psicologia, convenio psicologa, consultorio psicologigo vila mariana, bradesco saude, amil, unimed, golden cross, reembolso, omnit, psicologa na vila mariana, psicologa que atende amil em Sp, psicóloga que atende saúde bradesco em sp, Psicologa que atende Sul America em Sp

A normalidade:

"Será que eu sou normal?" é a pergunta clássica da maioria das pessoas que procuram atendimento psicológico.

A resposta, dentro do âmbito de atuação da Psicologia não é simples uma vez que requer a análise de múltiplos fatores.

O primeiro fator é a ser levado em conta é idiossincrático, ou seja: um indivíduo é considerado normal ou patológico em relação a si mesmo, por mais que seu comportamento destoe dos demais (na maioria dos casos que não envolvem psicopatologia). 

Por exemplo: uma oscilação de humor básica é absolutamente normal, e desejada na maior parte dos casos. Quando alguém está feliz, mas lembra de algum evento estressor, seu humor tende a mudar. Isto não é patológico; é normal e esperado, afinal somos capazes de modular nosso humor de acordo com o contexto.

Outro exemplo são das pessoas que "choram a toa, sem motivo aparente".
Será que este choro é a toa mesmo? Será que as lágrimas não seriam a manifestação de algo muito doloroso, que só faz sentido pra quem as derrama? 
Não existe bola de cristal capaz de mostrar o que um indivíduo sente. E não dá pra falar que a demonstração de emoções seja anormal, sem considerar o contexto.

O segundo fato se refere ao contexto: O indivíduo pode ser considerado anormal em relação ao seu contexto. Suponhamos que em um lar onde todos sejam evangélicos, alguém seja ateu. Neste caso ele saiu dos padrões, mas está longe de ser patológico. Pra ele, ser diferente dos demais tem muitos sentidos. É importante que haja compreensão mútua e ajuste de interesses, buscando um ponto de entendimento que seja confortável para todos.

O patológico

Consideramos patológico aquilo que é egossintônico (anormal em relação ao próprio indivíduo) ou egodistônico (anormal em relação ao meio); comportamentos que envolvem sérios prejuízos de ordem material, física, afetiva, mental e social; que coloquem em risco a si mesmo e/ou ao meio.

Egossintônicos = Podemos tomar como exemplo os casos de compulsão alimentar, que causam prejuizos de ordem física e mental (as vezes material). O indivíduo sabe que não deve se alimentar exageradamente, mas não consegue evitar, mesmo tendo que enfrentar o sentimento de culpa. Alguns casos de dependência química se encaixam nesta explicação.

Egodistônicos = Podemos citar como exemplo os casos de sociopatia, onde um indivíduo comete um crime e não consegue sentir culpa ou remorso. Para ele, isto pode parecer "normal", mas diante da sociedade é este comportamento é altamente condenável. 

Conclusão

Não dá pra fechar diagnóstico com base em poucos comportamentos observáveis, ou em opiniões pessoais, ou padrões impostos por uma determinada sociedade. Aquilo que aos olhos dos outros nos parece anormal, pode ser normal e desejável.

É preciso ampliar os horizontes do entendimento acerca do funcionamento humano para que possamos compreender o indivíduo dentro do seu contexto biopsicossocial.

Psicológica
Maristela Vallim Botari
CRP-SP-06/121677

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como esquecer alguém?

Você estava em um relacionamento, que parecia promissor, mas de repente

As coisas começaram a desandar, e o inevitável término chegou....
ou
Estava tudo bem, mas a outra parte resolveu se desligar da relação.

Enfim, houve uma ruptura na relação, mas não no vínculo (pelo menos, da sua parte).

Supondo que todas as tentativas de reconciliação já foram esgotadas, não há muito o que fazer: o jeito é esquecer a pessoa e partir para outra relação, ou ficar algum tempo sozinho (a).

Mas como se esquece alguém?

Esta pergunta não tem resposta fácil, nem fórmula, nem dicas que funcionem de maneira eficaz, pois depende de como o indivíduo funciona afetivamente. 

No entanto, uma coisa é certa: para esquecer alguém é preciso:

1- Querer. 
O pensamento no outro não desaparecerá se você alimentá-lo. É preciso imposição de uma poderosa força de vontade, e capacidade de lidar com a dor e o vazio. Não dá pra esquecer alguém quando não se quer esquecer.

2-Força de vontade
Não basta querer. 

É preciso sustentar este que…

Psicóloga sp - Crianças, adultos, casais | psicologa convenio | Psicologa Planos de saude | Bradesco | Amil | Sulamerica | Omint | Porto seguro

Psicóloga sp - Crianças, adultos, casais | psicologa convenio | Psicologa Planos de saude | Bradesco | Amil | Sulamerica | Omint | Porto seguro Atendimento por reembolso. Saiba Mais.

Maris V. Botari - Psicóloga Clínica - CRP-SP - 06/121677 Desenvolvendo Habilidades Afetivas e emocionais. 

Psicoterapia para: Crianças, Adultos e Casal 

Psicologa Bradesco, Amil, Sulamérica, Omint , por reembolso

Agendamento de 1ª consulta psicológica Whatsapp (11) 9-9984-9910

Email: psicologamaris@gmail.com
Sites:Psicologia Sem FronteirasPsicologia dos RelacionamentosPsicoterapia em São Paulo
Psicoterapia: ajudando a adquirir ou manter a qualidade da vida afetiva, pessoal e emocional.

Tratamentos indicado para:
Ansiedade, Depressão, dificuldade de relacionamento (afetivo, social, profissional e familiar), necessidade de aceitação, baixa autoestima,lidar com sentimento de culpa, como manter um relacionamento feliz, carência afetiva, dependência emocional, desmotivação, estresse, dificuldade de comunicação, di…

Término de relacionamento. Por que a superação é tão difícil?

O rompimento das relações afetivas provoca sofrimento comparado ao luto: falta de ar insônia, palpitações, taquicardia, são sintomas que tendem a surgir quando um indivíduo é rejeitado.
El fuego me recorre el cuerpo- el dolor de amarte. El dolor me recorre el cuerpo con las llamas del amor que siento por ti. La enfermedad del amor por ti me inunda el cuerpo. El dolor es como un furúnculo a punto de explotar de mi amor por ti. Consumido por el fuego de mi amor por ti. Recuerdo lo que me dijiste. Pienso en tu amor por mí. Me desgarra tu amor por mí. Dolor y más dolor. ¿Dónde te vas con mi amor? Me dicen que te irás de aquí. Me dicen que me abandonarás. Mi cuerpo está entumecido de dolor. Recuerda lo que te he dicho, mi amor. Adiós, mi amor, adiós". (Fisher, p. 11).
Mas porque isto ocorre?
O amor é articulado com as funções cerebrais por meio de dois hormônios que respondem pela estimulação sexual: a vasopressina nos homens e a ocitocina, nas mulheres. Estas substâncias favorecem a for…