Você sabe amar?

Você sabe amar?



psicologa amo, psicologa bradesco, psicologa amil, são paulo, vila mariana




Continuação do texto A banalização do amor



Vivemos em um momento sócio-histórico onde o individualismo impera. 
A competitividade está presente até mesmo nas famílias;
A aparência é mais importante que a essência;
A comunicação é usada para produzir desentendimentos;
Autoestima é confundida com narcisismo.




Os sentimentos ruins como a inveja, o ciúme, a raiva e a frustração ditam as regras de conduta, criando sérias dificuldades de relacionamentos, levando-o a esquecer quem de fato você é...




Neste cenário, fica difícil vivenciar o amor da forma que deve ser vivenciado, uma vez que as relações afetivas são confundidas com relações de apego, criando sérias e intransponíveis dificuldades de vivenciar relações afetivas.




 Se você não mede esforços para agradar as pessoas, e para isto abre mão de seus valores e princípios básicos de moral, ética e personalidade, é hora de fazer uma reflexão.




Será que eu sei amar?



  • Estou me impondo demais ao outro, tentando fazer com que ele aceite minhas exigências absurdas?

  • Estou respeitando os limites do outro?

  • Estou deixando claro quais são os meus limites, dentro de uma relação?

  • Estou baseando minha relação em aparência física e/ou em bens materiais e conforto, esquecendo da pessoa?

  • Estou permitindo que a relação caia na banalização?

  • Estou contribuindo para que o outro cresça tanto dentro, quanto fora da relação?

  • Estou dando espaço para o outro? Estou respeitando o espaço que o outro me dá dentro da relação? Sei negociar estes espaços?

  • Faço uma análise crítica de mim mesmo (a), quando o outro reclama de algo? 

  • Sei pedir desculpas?

  • Sei desculpar?

  • Respeito os sentimentos do outro? sei exigir que respeitem meus sentimentos?

Estes são alguns pontos que podem colaborar para que você faça uma reflexão mais apurada sobre a forma como manifesta seu amor. Lembre-se que é mais fácil mudar do que lidar com o rompimento de uma relação afetiva.

Especialmente se você já vivenciou diversas relações amorosas fracassadas, creio que seja o momento de apertar o botão "pause" da sua vida afetiva, refletir, mudar e retomar, para que aprender a amar verdadeiramente.







Leia também

8 fatores que dificultam um relacionamento


7 dicas para a relação amorosa dar certo

Consultório de Psicologia Vila Mariana

Psicóloga, São Paulo

Se chegou aqui, certamente busca uma psicóloga, psicólogo, psicoterapia, apoio emocional, ajuda psicológica, ou tratamento para sua ansiedade, depressão, estresse ou dificuldade de relacionamento.
Se este não for o caso, talvés a leitura de alguns artigos lhe seja útil.

Podemos agendar uma consulta psicológica gratuita para que você venha conhecer meu trabalho, minha missão, visão e valores.

Clique aqui para agendar uma Consulta Psicológica Gratuita


O Consultório fica na Rua Domingos de Moraes, 770 Bloco 01 Sala 05.


Clique aqui para visualizar o mapa


    Quando buscar Terapia?

    Exceto quando houver indicação de um médico ou psiquiatra, não existe UM momento adequado. Geralmente as pessoas buscam ajuda do psicólogo, ou psicóloga quando:

    Sentem-seincompreendidos;



    • Psicologia Vila Mariana
    • Psicóloga Vila Mariana
    • Psicólogo Ana Rosa
    • Psicóloga Ana Rosa
    • Psicologia SP
    • Psicólogo SP
    • Psicóloga SP
    • Psicólogo em SP
    • Consultório de Psicologia Vila Mariana
    • Consultório de Psicologia em SP
    • Clínica de Psicologia Ana Rosa
    • Clínica de Psicologia Vila Mariana
    • Clínica de Psicologia Zona Sul
    • Psicólogo Zona Sul SP
    • Psicologa, Psicologa Bradesco,
      Psicólogo,
      Terapia de casal,
      Psicoterapia,
      Psicologa São Paulo,
      Psicóloga Vila Mariana,
    • Psicólogo Vila Mariana
    • Psicólogo São Paulo
    • Bradesco, Amil, sulamérica.
    • Bradesco, Amil, sulamérica.
    • Psicologo Bradesco,
    • Psicologo Amil,
    • Psicologo sulamérica.
    • Psicologa Amil,
    • Psicologa sulamérica.